• Greve Geral Nacional da Educação - 15 de março de 2017

    Contra a Reforma da Previdência e pelo cumprimento do Piso Salarial Nacional

  • A Casa dos Movimentos Sociais

    Projeto do Sind-UTE/MG Caxambu fomenta o desenvolvimento dos movimentos sociais na região

  • Venha conhecer o Sind-UTE/MG em Caxambu

    O Sind-UTE/MG convida toda a categoria a conhecer seu novo espaço

  • Formação: A história dos trabalhadores em educação

    Conheça mais a história do movimento sindical docente mineiro e da UTE-MG

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Relatos de uma professora: a batalha de Brasília


Luciana Reis Nogueira é professora das escolas estaduais Dom Othon, em Conceição do Rio Verde, e Nossa Senhora de Montserrat, em Baependi, e também é do Comando Regional de Greve do Sind-UTE/MG subsede Caxambu. Ela integrou a caravana de nossa região que participou da manifestação contra as reformas trabalhista e previdenciária em Brasília, que devido a repressão ficará conhecida como "a batalha de Brasília". Abaixo, publicamos o relato dela sobre esse momento:


"Foram mais de 300 mil trabalhadores manifestando contra a Reforma da Previdência, contra à Reforma Trabalhista, contra a Terceirização e eleições diretas já! Este governo corrupto e ilegítimo sentiu acuado pela força popular e convocou às Forças Armadas para impedir a ocupação de um espaço que deveria ser nosso! 

A Polícia não detectou o pequeno grupo que optou pela depredação do patrimônio público e acabou nos atacando, NÓS, que lutamos pelos direitos de todos os trabalhadores e educamos seus filhos! Sobre o gás lacrimogêneo, definitivamente não é uma invenção divina! Quando nos aproximamos (Sarah e eu) da última barragem da tropa de choque, sentimos a morte vindo nos buscar...um desespero imenso! Ainda bem que existe o leite de magnésio, que alivia a queimação no rosto e o vinagre, que ajuda na respiração! 

As centrais sindicais não tem nada haver com os atos de vandalismo, pelo contrário, recuaram muito antes do previsto para proteger o povo da violência das tropas de choque e repudiam este tipo de ação! Os atos de vandalismo foram ações isoladas praticadas por adolescentes anarquistas que se opõem aos movimentos organizados! 

Busquem mídias alternativas com credibilidade ou ouçam realmente à voz de quem viveu este momento para repassarem informações reais! Tenho muito orgulho de ter vivido este momento e ter vivido este momento e ter feito parte da luta por nossos direitos em um país que passa por um vergonhoso momento político!"






quarta-feira, 24 de maio de 2017

Organizar e mobilizar as redes municipais: entrevista com a professora Carla Fernandes

Na noite dessa terça-feira, 23 de maio, entrevistamos Carla Fernandes, professora da rede municipal de Caxambu e diretora do Sind-UTE/MG subsede Caxambu, que no último sábado participou do Encontro de Redes Municipais organizado pelo sindicato em Belo Horizonte



1)      Qual a importância do Sind-UTE/MG organizar um encontro com as redes municipais?

A importância do Sind-UTE/MG está no sentido de fortalecer a organização sindical das redes municipais, dando respaldo no sentido da formação e também da orientação de maneira como a luta da categoria deve ser realizada. No encontro em Belo Horizonte, no último dia 20, foi muito claro o papel fundamental do Sind-UTE/MG na organização das redes que buscaram no sindicato a orientação para a construção de uma pauta articulada entre as demandas locais e nacionais. Nesse momento de dissenso, o crescimento da mobilização e a busca da filiação sindical é o sinal de fortalecimento da classe trabalhadora.

2)      Você acha que a rede municipal de Caxambu está mobilizada e organizada?

Acredito que a rede municipal de Caxambu está organizada e mobilizada, pois busca melhores condições de trabalho e salários. O fortalecimento dá categoria se dá através das conquistas e da certeza de que só a luta garante a vitória.

3)   No dia seguinte a essa reunião, você participou de uma manifestação que exigia Fora Temer e Diretas Já. Como essas "bandeiras" influenciam a categoria em Caxambu e qual a importância dos trabalhadores em educação de Caxambu aderirem a essa luta?

A rede municipal de Caxambu está mobilizada no sentido que respondeu sempre positivamente as paralisações, entendendo que as pautas nacionais contra as reformas nefastas do governo ilegítimo prejudicam a classe trabalhadora, e também entendeu que lutar contra as reformas trabalhista, da Previdência e contra a terceirização é lutar a favor do futuro de seus filhos, sobrinhos e alunos.
Acredito que hoje as bandeiras “Fora Temer” e “Diretas Já” estão incorporadas às lutas dos trabalhadores, pois através delas poderemos restabelecer o Estado democrático de direito e ao participar da manifestação em Belo Horizonte no dia 21 tive a certeza de que estamos do lado certo da história, que é o que defende a democracia e  a classe trabalhadora.



terça-feira, 23 de maio de 2017

MG: Ato público em Belo Horizonte reúne mais de 50 mil pessoas pedindo renúncia de Temer e Diretas Já

Publicado em Segunda, 22 Maio 2017 11:53

Mais de cinquenta mil pessoas saíram às ruas de Belo Horizonte, neste domingo (21), pedindo a renúncia do presidente Michel Temer e a realização de eleições diretas para presidente da República.

Os manifestantes fizeram passeatas pelas principais ruas do centro da capital mineira durante ato organizado pelas Frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais, entre outras entidades sindicais e movimentos sociais.

A presidenta da CUT/MG e coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, afirmou durante o ato: "nem mesmo as elites do país querem a continuidade do governo Temer". 

Beatriz Cerqueira também destacou o crescente aumento do número de desempregados no país e reforçou que é necessário entregar ao povo a escolha do novo presidente da República. "Eles querem dar o golpe dentro do golpe, por isso, querem a eleição indireta para poderem escolher o novo presidente que vai continuar estas reformas que somente servem ao mercado e para retirar direito dos trabalhadores."



Fonte: CNTE

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Informações sobre o Adicional de Valorização da Educação Básica (Adveb)

O Adicional de Desenvolvimento da Educação Básica (Adveb) foi conquistado no Acordo de 2015, assinado com o Governador do Estado, visando garantir uma contrapartida do Estado dos direitos que a educação perdeu.

A educação foi a única categoria que não recebeu o Adicional de Desempenho instituído pela Reforma Administrativa feita pelo governo Aécio Neves, em 2003, fazendo com que perdêssemos todos os benefícios vinculados ao tempo de serviço. Por isso, a proposta do Adicional de 5% a cada 5 anos de efetivo exercício do servidor efetivo, contados a partir de janeiro de 2012. Assim sendo, a partir de janeiro deste ano, os servidores e as servidoras que completaram esses requisitos passaram a ter direito ao acréscimo de 5% em seus vencimentos, mensalmente.

O governo de Minas se comprometeu, por meio de um documento assinado por quatro secretários de Estado que faria o pagamento desse benefício para quem faz jus à folha de pagamento de maio, mas, não o fez. O Sind-UTE/MG notificou o governo no início do ano pelo descumprimento do Acordo e houve a garantia de que o Adveb seria pago, inclusive, com todo o retroativo.

Em reunião realizada, no dia 05 de maio, o governo alegou impedimento jurídico para o pagamento, mas, disse que o recurso financeiro está planejado para tal finalidade. Afirmaram ter identificado uma vedação na Constituição Estadual que impede o pagamento de qualquer benefício tendo como critério o tempo serviço. É uma regra aprovada na Reforma Administrativa do governo Aécio Neves.

Para resolver o impasse, o governo se comprometeu em enviar, até o dia 10/05, a proposta de emenda à Constituição para resolver essa questão. No entanto, não cumpriu o prazo e não enviou a proposta. Por meio de diálogo com a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, conseguimos que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) fosse apresentada pelos próprios deputados. Até o momento 53 deputados assinaram a Proposta de Emenda à Constituição que já foi protocolada. Agora ela passará pela Comissão de Constituição e Justiça e, em seguida, por uma comissão especial e irá a votação no Plenário. 

Assim que aprovada, o governo garante que pagará o Adveb com todo o retroativo. Vale ressaltar que o Sindicato tem cobrado o pagamento do Adveb desde o início deste ano.

O Governo do Estado foi desrespeitoso com a categoria ao assumir prazos e procedimentos que não cumpriu!

O próximo passo é pressionarmos para que a votação na Assembleia Legislativa aconteça rapidamente. Vale lembrar que, no início de junho, o governo se comprometeu em enviar o projeto de reajuste de 7,64%. Como não tem cumprido prazos, fiquemos em alerta!

Greve geral contra a Reforma da Previdência e a Reforma Trabalhista - 24 e 25 de maio

ATENÇÃO TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO

24 e 25 de maio são dias de Greve Geral, com o objetivo de parar tudo contra as Reformas Trabalhista e da Previdência. Vamos ocupar Brasília dia 24 e forçar o governo a desistir de destruir os direitos dos trabalhadores.

Se você quiser is para Brasília, entre em contato conosco pelo e-mail sindutecaxambu@hotmail.com até segunda (22/05). A saída será na terça.


quinta-feira, 18 de maio de 2017

Presidenta da CUT/MG faz alerta sobre momento atual e convoca a classe trabalhadora para o “Ocupa Brasília” no dia 24 de maio

A coordenadora-geral do Sind-UTE/MG e presidenta da CUT/MG, Beatriz Cerqueira, faz um alerta do momento em que o país vive agora, lembrando que as decisões do governo ilegítimo, Michel Temer, estão mergulhando o país em mais e mais desemprego, ao mesmo tempo em que retiram direitos fundamentais da classe trabalhadora. Há, segundo ela, uma forte tendência ainda de se privatizar tudo o que é público.

Presidenta da CUT/MG faz alerta sobre momento atual e convoca a classe trabalhadora para o “Ocupa Brasília” no dia 24 de maio

O momento é de lutar e de ganhar as ruas. A greve na educação, de acordo com a coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, conseguiu impedir que a Reforma da Previdência não fosse aprovada até agora. “Foi o nosso movimento que fez com que esse governo ilegítimo e o Congresso Nacional mudassem a pauta. No entanto, eles já aprovaram a Reforma Trabalhista na Câmara e agora a matéria está em análise no Senado.”

Se essas duas Reformas forem aprovadas e, considerando a lei da terceirização irrestrita, já em vigor, Beatriz Cerqueira avalia que o futuro na educação pública é grave e preocupante: “ Estamos diante da possibilidade do fim dos concursos públicos, do sucateamento do Piso Salarial e da política de carreira, da possibilidade de acabar o nosso direito de aposentadoria e da terceirização de todas as funções na escola.”

Em face de tudo isso, ela destaca que esse é o momento da classe trabalhadora enxergar a luta como uma luta de todos e todas pela sobrevivência. No dia 24 de maio, as Centrais Sindicais convocam para o “Ocupa Brasília”.

“A CUT Minas convoca a classe trabalhadora para que nesse dia, uma multidão de pessoas esteja em Brasília, para dizer a esse governo ilegítimo que não aceita a retirada de seus direitos. Depois do dia 24, a luta continua com pressão aos deputados federais e aos senadores. Essa é uma luta de todos, trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade. Vamos fazer deste dia 24 mais uma resposta a tudo que estamos enfrentando, um importante jornada em defesa de nossos direitos.”

Assista ao vídeo com a fala de Beatriz Cerqueira:

terça-feira, 16 de maio de 2017

Sobre calendário de reposição


Fizemos uma greve forte pelo cumprimento do Acordo Assinado em 2015 e contra a aprovação da Reforma da Previdência. Novo documento assinado por quatro secretários de estado estabeleceu prazos e compromissos que ainda não foram cumpridos.

Construímos uma greve geral sem precedentes na história do Brasil no dia 28 de abril, mobilizamos pais e a sociedade civil, esclarecendo e debatendo sobre a Reforma da Previdência. Fomos às Câmaras Municipais; pressionamos deputados e conseguimos impedir que a votação da Reforma da Previdência acontecesse até o momento. É fundamental continuarmos com esta unidade.

Somos representados por um Sindicato; não podemos desconstruir toda a luta por pressão de quem quer que seja. A Reforma pode ser votada na próxima semana na Câmara dos Deputados. Exatamente por isso, faremos uma histórica atividade em Brasília paralisando nossas atividades em todo o Estado.

Quando a Secretaria de Estado da Educação (SEE) quis apresentar calendário de reposição, a direção do Sindicato informou que estava em plena luta e que novos movimentos de paralisação seriam feitos, que o Sindicato faria o debate e a negociação sobre a reposição no momento correto, mas que ainda enfrentaríamos a votação da Reforma da Previdência, em Brasília; que a greve havia sido suspensa, podendo voltar a qualquer momento.

A preocupação com os cursos semestrais fez com que o Conselho Geral debatesse e aprovasse que o Sindicato negociasse exclusivamente a reposição para esta modalidade. No entanto, a categoria foi surpreendida pela publicação de uma orientação que não foi negociada com o Sindicato. Com o agravante de que aquilo que o o governo se comprometeu em fazer, o pagamento do Adicional de Valorização da Educação Básica no pagamento de maio, ele não cumpriu.

No dia 18 de maio, a direção do Sind-UTE/MG terá reunião com o Governo do Estado. Solicitamos que os colegas aguardem esta reunião e o seu resultado para encaminharmos sobre a reposição de greve.

domingo, 14 de maio de 2017

"Quem Luta Educa" realiza plenária de organização em Baependi

No último sábado, 13 de maio, ativistas e militantes de entidades sindicais e movimentos sociais se encontraram na cidade de Baependi, no Sul de Minas Gerais, em plenária micro-regional do coletivo Quem Luta Educa. O objetivo da atividade foi debater a organização desse coletivo na região do Circuito das Águas.


O "Quem Luta Educa" é uma articulação de sindicatos, organizações e movimentos sociais, com o objetivo de estabelecer uma unidade em defesa da classe trabalhadora, da juventude, das minorias e do povo em geral, articulando lutas e mobilizações em prol de uma sociedade justa e igualitária. Surgida em 2011 em decorrência da maior greve da educação pública mineira, que durou 112 dias, o Quem Luta Educa é o resultado da solidariedade de classe estabelecida por movimentos sociais em Minas Gerais a partir de então. Agora, em 2017, começa a se estabelecer no sul do estado.

A Plenária em Baependi contou com a presença de diversas entidades, como o Sind-UTE/MG (subsede Caxambu), a CUT/MG, a ADERE/MG (Articulação dos Empregados Rurais de Minas Gerais), do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), do Coletivo Quilombo e da Via Campesina. A presidenta da CUT/MG e coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, esteve presente na mesa de conjuntura, apresentando sua análise sobre a situação política do Brasil e contribuindo para o debate coletivo. Além desse momento, debateu-se a organização efetiva do Quem Luta Educa na região, sua comissão local e as causas a serem trabalhadas a curto/médio prazo.

"A construção do Quem Luta Educa em nossa região é uma tarefa importante para nós. Com ele, poderemos estabelecer uma unidade e, principalmente, uma solidariedade de classe entre os trabalhadores e a juventude organizados no Circuito das Águas. Precisamos quebrar o isolamento; os problemas enfrentados por alguns são os problemas enfrentados - mesmo que indiretamente - por todos. O isolamento nos enfraquece, a união nos fortalece", disse Cássio Diniz, professor e diretor estadual do Sind-UTE/MG.

Fotos: Arlisson Neves

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Plenária Micro-regional do "Quem Luta Educa", dia 13 de maio (sábado) em Baependi, com a presença de Beatriz Cerqueira.


quarta-feira, 10 de maio de 2017

Calendário de Lutas


    Copyright - Sind-UTE/MG Caxambu

    Rua Dr. Enout nº 193 - Centro/Caxambu. Telefone: (35) 3341-3799 / Email: sindutecaxambu@hotmail.com